Não é cadastrado, clique aqui!
Não é cadastrado, clique aqui!
O Ministro do STF Luiz Fux concedeu auxilio-moradia de R$ 4.377,73 para todos os desembargadores, juízes e promotores de justiça. O gasto pode ser de bilhões de reais por ano. O que você acha?
Não concordo, pois é um abuso com o dinheiro público.
Não concordo, por outro motivo.
Concordo, estes servidores da justiça fazem juz a este benefício.
Segunda-feira, 24 de novembro de 2014
Esquerda
Direita
Share
Publicada em 13/04/2007
410 pessoas já leram esta matéria.  

Empresa é condenada por protestar duplicatas canceladas

Nas relações comerciais, causa dano moral quem protesta título de negócio cancelado. O entendimento é do juiz Luiz Antônio Sari, da 1ª Vara Cível de Rondonópolis (MT). O juiz condenou uma importadora de pneus a pagar R$ 15 mil de indenização por danos morais para uma consumidora que teve seu nome inscrito nos órgãos de restrição ao crédito, mesmo desistindo de transação. Cabe recurso.

De acordo com o processo, a cliente comprou um jogo de pneus da Jabur Comercial e Importadora de Pneus. Como a empresa demoraria 15 dias para entregar o produto, a consumidora cancelou o negócio e pediu o cancelamento das duplicatas. Mesmo assim, a empresa protestou os títulos. A cliente a só soube que seu nome estava sujo porque não conseguiu parcelar uma compra.

O juiz Luiz Antônio Sari reconheceu que a duplicata mercantil foi indevidamente protestada, já que o negócio foi cancelado. Para Sari, houve injusta agressão à honra.

“Não há que se negar também que tal fato representa uma diminuição ou supressão do conceito de que alguém goza e que aproveita ao bom resultado de suas atividades profissionais, especialmente se desenvolvem no comércio; por fim, não há que se negar que o protesto indevido ou ilícito do título de crédito são molestados direitos inerentes à personalidade, atributos imateriais e ideais, expondo a pessoa à degradação de sua reputação, de sua credibilidade, de sua confiança, de seu conceito, de sua idoneidade, de sua pontualidade e de seriedade no trato de seus negócios privados”, concluiu.

Processo 237/06
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2007. Na base de dados do site www.endividado.com.br

Destaques

Cadastre-se e receba notícias. É grátis!