Não é cadastrado, clique aqui!
Não é cadastrado, clique aqui!
Sexta-feira, 25 de julho de 2014
Esquerda
Direita
Share
Publicada em 18/02/2009
7780 pessoas já leram esta matéria.  

Cuidado: ter o nome incluído no Serasa ou SPC pode dar muita dor de cabeça

SÃO PAULO - Há quem diga que o nome é mais importante que qualquer bem material. A afirmação é verdadeira quando constatamos a série de limitações impostas àqueles que entraram na lista do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e na da Serasa. De não poder comprar a prazo a não ser contratado por empresas, entrar nesses cadastros pode dar muita dor de cabeça.

Quando o consumidor não consegue quitar suas dívidas com lojas e grandes redes seu nome vai para o SPC. Se as dívidas forem de natureza bancária, a lista é a do Serasa. Mas, independentemente de onde seu nome se encontra, oportunidades serão perdidas enquanto o consumidor não tirá-lo delas.

Compras e financiamentos
Quem tem o nome nessas relações sabe: comprar a prazo é difícil, muito difícil. Quando opta por essa forma de pagamento, o consumidor tem seu nome consultado por quem oferece o financiamento. Em grandes lojas, por exemplo, a liberação do crédito é impossível.

O mesmo acontece com os cheques. Primeiro, é complicado conseguir um talão. Se já tiver um, o consumidor terá dificuldades em passá-los, já que os comerciantes, em geral, consultam a Serasa antes de aceitá-los.

Com o nome na lista dos devedores, até alugar um imóvel é difícil. Isso porque a consulta ao cadastro dos inadimplentes é cada vez mais requisitada pelas imobiliárias na hora de liberar um contrato de aluguel.

Comprar uma casa, então, é mais difícil ainda para quem tem seu nome listado no Serasa. Os requisitos para se obter crédito para financiamento imobiliário ainda são muito criteriosos. Nesse caso, mesmo que o consumidor já tenha um imóvel e o utilize como garantia, ele terá dificuldades para conseguir o crédito.

Oportunidades perdidas
E não só compras e financiamentos ficam restritos a quem tem o nome listado no SPC ou Serasa. Conseguir um emprego também é pode ficar mais complicado.

Nos casos de instituições bancárias, a restrição é legal. Por lei, quem está inadimplente não pode trabalhar em qualquer banco do País. Se já estiver empregado em uma agência e seu nome entrar na relação, o consumidor pode ser demitido por justa causa.

Com o nome nas listas, também é impossível trabalhar em órgãos públicos. Mesmo que você passe em um concurso, não poderá assumir o cargo.

Cuidado, oportunidades em outras empresas também podem ser perdidas. Hoje, a resistência das empresas em contratar pessoas com problemas de endividamento excessivo é cada vez maior.

Neste último caso, no entanto, a discriminação, se for comprovada, é ilegal. O profissional que não for contratado por ter o nome em listas de inadimplentes pode denunciar a empresa ao Ministério Público do Trabalho por dano moral.

A dificuldade em processos como esse é concretizar as provas. Dificilmente uma empresa falará explicitamente sobre os motivos da recusa do candidato. Além disso, a recusa por este motivo, isoladamente não gera indenização. É necessário provar que a discriminação abalou emocionalmente a pessoa. Isso pode ser fácil se for deixado claro o motivo da recusa na frente de um grupo de pessoas.

De qualquer forma, o ideal mesmo é o consumidor ficar atento ao orçamento e não extrapolar nas compras ou nos empréstimos, para que não tenha problemas como estes.
Fonte: Infomoney, 17 de fevereiro de 2009. Na base de dados do site www.endividado.com.br.
Comentários
11 comentários

Destaques

Cadastre-se e receba notícias. É grátis!